My Great Web page
RELEASE

Após um hiato de 5 anos, o Pavilhão 9, um dos principais expoentes do Hip Hop brasileiro e símbolo de protesto da periferia nos anos 90, anuncia sua volta ao cenário musical.

 

Formado por Rhossi e Doze (vocais), Ortega (guitarra), Marinho (baixo), Munari (guitarra) e Fernando Schaefer (bateria), o grupo se prepara para um retorno; o Festival Lollapalooza Brasil.

 

No início da carreira, mesmo se apresentado apenas na periferia da capital, o álbum de estréia “Primeiro Ato” de 1992, atingiu a marca de 5 mil cópias vendidas, sendo indicado ao Prêmio Sharp de Crítica.

 

A faixa intitulada Otários Fardados, gerou muita polêmica, revoltando os policiais que passaram a ameaçar os integrantes da banda, obrigando-os a esconder o rosto. Com constantes ameaças e medo de represálias, o grupo passou a se apresentar com máscaras e gorros, tornando-se uma incógnita para seu público.

 

O álbum “Procurados Vivos ou Mortos” é lançado em 1994 e a faixa Apaga o Baseado tem seu vídeo clipe indicado como Melhor Vídeo Clipe de Rap pela MTV Music Brasil 1996. Três anos mais tarde lançam “Cadeia Nacional”, gravado, mixado e produzido por Beto Machado (Bob Mac), com participações de Max e Igor Cavalera, Marcelo D2, Nação Zumbi e Bocato, com vendas superiores a 100 mil cópias, rendendo ao grupo um Disco de Ouro.

 

A música Mandando Bronca; carro-chefe da banda faturou o MTV Music Brasil de 1997 como Melhor Vídeo Clipe de Rap do Ano.

 

“Se Deus Vier, que Venha Armado”, lançado em 98, voltou a gerar polêmica, desta vez com a Igreja Católica e políticos conservadores; a capa tinha a imagem de Jesus Cristo. O álbum produzido por Bill Kennedy, conta com a faixa Vai Explodir, trilha sonora do filme “O Invasor”. O clipe concorreu na categoria Rap do MTV Music Brasil 98.

Com produção de Tom Capone, o álbum “Reação” foi indicado ao Grammy Latino em 2001 na categoria Melhor Álbum de Rock. Nesse mesmo ano durante o Festival Rock in Rio, os integrantes da banda fizeram sua primeira aparição pública, retirando suas máscaras que durante dez anos foram o símbolo do Pavilhão 9.

 

Um show histórico, fazendo com que a banda se tornasse o primeiro grupo de Rap a se apresentar em um Festival para mais de 200 mil pessoas. O álbum foi indicado ao MTV Music Brasil 2001, na categoria Pop Rock.

 

Em 2006 lançam o que seria seu último álbum, “Público Alvo”, produzido por Carlo Bartolini,  com participações de Billy Graziadei (Biohazard), Guga Stroeter, DJ Nuts, Rodolfo Abrantes, Salazar (Veiga & Salazar) além de uma versão de Gimme Tha Power, um clássico da banda mexicana Molotov. Lançam também o vídeo clip de “Mundo Loco” produzido pela Conspiração Filmes.

 

Após um hiato de 5 anos, a “volta” da banda acontecerá em um dos maiores Festivais de música do mundo em São Paulo, o Lollapalooza dia 7 abril de 2012.

 

Com seis álbuns lançados e mais de 300 mil cópias vendidas ao longo da carreira, o Pavilhão 9 se prepara para lançar um novo single, ainda sem título definido.

 

Texto: Patrícia Chacon de Morais